FANDOM


Capítulo 12: Recompensa!
Nova Belavista - Capítulo 12
Nome Capítulo 12: Recompensa!
Escrito por [[Usuário:Mar99 wiki|Mar99 wiki]]
Data de lançamento 3 de março de 2013
Simsérie Nova Belavista
Classificação Classificação 10 anos 10 anos

Cronologia
Capítulo Anterior Capítulo 11: Em Risco
Próximo Capítulo Capítulo 13: Finalmente Seguros
Mudou-se

Propriedade

Nova Belavista - Capítulo 12: Recompensa! é de propriedade de Mar99 wiki. A menos que a edição seja construtiva ou de poucos detalhes, peça permissão ao autor para editar a página.
Habilidade3 Escrita
Nota do(a) Autor(a)
O capítulo não foi enviado ontem (02/03) porque os servidores da Wikia estavam lentos e o autor não conseguia editar nenhuma página.


Nova Belavista - Capítulo 12 (01)

– Kayami? Kayami! – perguntou a pessoa atrás da porta – É a Denise! Pode abrir a porta?

Kayami ficou receosa em abrir a porta. Seria um dos terríveis comparsas de Magnus? E se fosse o que ela iria fazer? As palavras do filho ecoavam mais forte na sua cabeça: “Segurança primeiro. Fique em casa, não saia nem pro jardim. Não abra a porta para estranhos. Você não sabe quem poderá ser o homem que Magnus mandou aqui”.

– Kayami? Kayami! – perguntou a pessoa atrás da porta – É a Denise! Pode abrir a porta?

Kayami aliviou-se. Era apenas a sua amiga e vizinha Denise Jaqueta. Despreocupada, Kayami abriu a porta, e encontrou-a ali.

Nova Belavista - Capítulo 12 (02)

– Não foi nada. – falou Denise. – Lamento o que aconteceu com o seu filho.

– Posso entrar? – perguntou Denise.

– Ah, claro. – respondeu Kayami. – Desculpe. Vamos entrando. Denise entrou. Kayami verificou se não havia nenhum movimento estranho na rua e trancou a porta.

– Tenho que tomar cuidado mais do que nunca... – desculpou-se Kayami. – Tenho que cuidar da minha segurança agora.

– Não foi nada. – falou Denise. – Lamento o que aconteceu com o seu filho.

Nova Belavista - Capítulo 12 (04)

– Não, obrigada. – recusou Denise. – Não foi por isso que vim aqui.

– Obrigada... – agradeceu Kayami, que logo ficou pensativa – Meu filho, Reiko, não era tão comportado quanto o irmão mais velho... Mas também não era má pessoa. 

Kayami parou. Não queria entediar a visitante com suas lamúrias e lamentações.

– Bem... – desconversou Kayami. – Aceita um café?

– Não, obrigada. – recusou Denise. – Não foi por isso que vim aqui.

Enquanto isso, Minh ainda estava a procura de um lugar para ficar. Ele não poderia ficar por muito tempo, e deveria evitar ruas pouco agitadas. Deveria se misturar com a multidão. Na sua procura, ele voltou ao mesmo lugar onde havia parado ontem, antes de seu irmão ser morto. Deparou-se com um aviso, fixado em um dos silos:

Nova Belavista - Capítulo 12 (05)

Minh interessou-se. Simoleons era tudo que ele precisava agora. Discou o número no seu celular. Uma voz feminina avisou: 

Nova Belavista - Capítulo 12 (06)

– Você está ligando agora para a Metalúrgica Arnaldo Gouveia Neto Urisky & Sobrinho. Por favor, fique na linha até que um atendente receba sua ligação. - Minh ficou boquiaberto. Era o nome falso que Magnus criara para seu prédio.

– Você está ligando agora para a Metalúrgica Arnaldo Gouveia Neto Urisky & Sobrinho. Por favor, fique na linha até que um atendente receba sua ligação.

Minh ficou boquiaberto. Era o nome falso que Magnus criara para seu prédio. Era claro que não existia nenhum Arnaldo Gouveia Neto Urisky. Secretários do Estado da NaçãoSim já ligaram para o lugar, pedindo porque o dono da metalúrgica era Magnus e não Arnaldo. Conseguiam facilmente despistá-los, dizendo que depois que o dono morreu e o tal “sobrinho” desistiu do negócio. O “sobrinho” vendeu para os Quero-Tudo-Que-É-Seu. A empresa era bem conhecida pelo antigo nome e assim fez-se a história.

– Alô?! – perguntou uma voz masculina. – Você está procurando pela recompensa?

Minh ficou paralisado. Não conseguia responder. Se falasse com sua voz normal, seria como entregar-se para Magnus. Então, Minh decidiu passar-se por um dos motoristas da empresa, dos quais fazia uma piada sempre que podia.

– Falô, mano! É isso memo. – imitou Minh. Sua imitação era convincente, depois de horas resolvendo problemas dos motoristas quanto à falta de pagamento. – Aqui é o... o... Brunão... Quero vê como anda esses bagoço aê, tá ligado?

Nova Belavista - Capítulo 12 (08)

Firmeza, mano. – respondeu Minh – Queria ver como anda os negócio .

– Ah... Tá. – falou o homem do outro lado da linha. Ele parecia impressionado com a linguagem do “funcionário”. – Um segundo.

Minh estranhou. O homem que lhe atendeu deixou o telefone de lado, mas conseguiu ouvir uma conversa: “Guilherme... Pode resolver o problema do cara que tá no telefone pra mim? Acho que você vai se dar melhor com ele.” O tal Guilherme atendeu o telefone.

– E , mano? Tudo na paz? – perguntou Guilherme.

– Firmeza, mano. – respondeu Minh – Queria ver como anda os negócio .

– Ah, parece que um cara lá em cima aprontou umas treta ali com o Chefão. – falou Guilherme. Facilmente se entendia que o “Chefão” era Magnus. – Então, tá rolando maior grana aí pra pegar o cara, tá ligado?

Nova Belavista - Capítulo 12 (07)

– Valeu , mano. – falou Guilherme. – Se tu ele por aí, é só trazer ele aqui. Muita gente tá atrás desse cara. Anota aí o endereço...

– Entendi, mano. – falou Minh – Quanto tá?

Mano, o Chefão parece tá muito brabo com o cara. Agora tá uns 50 mil...

Minh se surpreendeu. § 50.000 por ele. Ficou pensando quantas pessoas podem estar agora mesmo atrás dele, para entregá-lo a Magnus.

– Valeu , mano. – falou Guilherme. – Se tu vê ele por aí, é só trazer ele aqui. Muita gente tá atrás desse cara. Anota aí o endereço...

Minh ignorou o endereço. Sabia muito bem onde ficava o edifício de Malcolm. Mas deixou o homem dizê-lo.

– Firmeza, mano. Falou.

– Falou.

Nova Belavista - Capítulo 12 (09)

– Kayami, eu vou levar você até o Magnus. – falou Denise, seca. Apontava uma arma para Kayami.

Minh desligou o telefone sentindo-se mais inseguro do que nunca. O que eles fariam se o vissem ali? No meio da multidão? Pegou o papel e rasgou-o em pedaços. Mais preocupado e enfurecido do que nunca.

De volta à casa de Minh e sua mãe, Kayami estranhou a visitante, e pergunta:

– Então, você veio por quê?

– Kayami, eu vou levar você até o Magnus. – falou Denise, seca. Apontava uma arma para Kayami.

– NÃO! NÃO! O que você está falando?! Onde arranjou isso?! – Kayami preocupou-se – Quer botar minha segurança em risco?!

Nova Belavista - Capítulo 12 (10)

Kayami saiu correndo. Estava surpresa. Sua amiga e vizinha agora estava ameaçando sua vida e segurança. Sem contar, que a do seu filho também entrava em jogo.

– Não tem jeito, Kayami. – explicou Denise. – Muito dinheiro está em jogo.

– Mas o quê? – Kayami indignou-se – Que dinheiro?

– Ora, você não ouviu falar? Estão oferecendo § 50.000 pelo seu filho, Minh. Se eu levar você, ele vai cair como um rato na ratoeira.

– O que é isso, Denise? – Kayami gritou – Sou sua amiga!

– Preciso mesmo desse dinheiro! – falou Denise – A padaria precisa de reformas, e também, quase estamos falindo! Bem, você sabe... Amigos, amigos... Negócios à parte.

Nova Belavista - Capítulo 12 (11)

Ao chegar ao seu quarto e ver estar sem saída, passou pela sua cabeça em render-se. Mas a criança traquina que estava escondida em seu interior falou mais alto.

Kayami saiu correndo. Estava surpresa. Sua amiga e vizinha agora estava ameaçando sua vida e segurança. Sem contar, que a do seu filho também entrava em jogo. Kayami correu para o andar superior. Denise, sem pressa, saiu andando calmamente atrás dela. Ao chegar ao seu quarto e ver estar sem saída, passou pela sua cabeça em render-se. Mas a criança traquina que estava escondida em seu interior falou mais alto.  Kayami pegou um abajur que estava na mesa de canto, ao lado de sua cama e jogou contra a janela de seu quarto. Denise ouviu o barulho e riu.

Nova Belavista - Capítulo 12 (12)

– KAYAMI! VOCÊ PODE FUGIR, MAS NÃO PODE SE ESCONDER!

– Aha! Encontrei você, Kayami! Pode começar a rezar!

Kayami se escondeu embaixo da cama, enquanto Denise chegou correndo ao quarto. Encontrou estilhaços de vidro, logo gritou:

– KAYAMI! VOCÊ PODE FUGIR, MAS NÃO PODE SE ESCONDER! 

Denise saiu correndo porta afora, procurando alcançar Kayami, que pensava que tinha se jogado janela afora e fugido. Depois que Kayami viu que tudo estava calmo novamente, saiu de debaixo da cama. Pensando em toda a loucura que fez. Quebrou uma janela. Mas continuava segura... Por enquanto.

Nova Belavista - Capítulo 12 (13)

Depois que Kayami viu que tudo estava calmo novamente, saiu de debaixo da cama. Pensando em toda a loucura que fez. Quebrou uma janela. Mas continuava segura... Por enquanto.


Curiosidades no Capítulo

  • Cada número de telefone do aviso de recompensa de Magnus corresponde a cada letra do nome de Magnus, levando em conta a sua ordem numérica no alfabeto. “M” é a 13ª, “A” é a 1ª, “G” é a 7ª, “N” é a 14ª, “U” é a 21ª e “S” é a 19ª. Então, você tem: MAGNUS = 13171-42119.
  • As iniciais do nome da empresa de Magnus pela qual Minh ligou, “Metalúrgica Arnaldo Gouveia Neto Urisky & Sobrinho”, também resultam no nome de Magnus.

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória