FANDOM


Cara a Cara
Motherlode Capítulo 6
Nome Cara a Cara
Escrito por [[Usuário:João PDF|João PDF]]
Data de lançamento 8 de junho de 2014
Simsérie Motherlode
Classificação Classificação 12 anos 12 anos

Cronologia
Temporada 1
Capítulo Anterior Homem de Farda
Próximo Capítulo O Último Massacre
Mudou-se

Propriedade

Motherlode - 1x06: Cara a Cara é de propriedade de João PDF. A menos que a edição seja construtiva ou de poucos detalhes, peça permissão ao autor para editar a página.


Cara a Cara é o sexto capítulo da segunda simsérie de João PDF, Motherlode. Este é o penúltimo capítulo da primeira temporada da simsérie.

Capítulo

O grupo ficara surpreso ao finalmente ter encontrado o grande sábio. Todos só pensavam na possibilidade de chegar a tal vizinhança secreta.

–V-você é mesmo o sábio? – pergunta Roberto, empolgado.

–Sim, mas eu tenho um verdadeiro nome. Motherlode.

–Debiloide? – pergunta Amin, debochando do sábio.

–Sr.,eu sou muito restrito em relação a quem entra no portal. – Motherlode rebate, assustando o criminoso.

–O-oh... – Amin tenta se conter.

–Calma, calma, eu só queria ver a sua cara. Hehehe!

–Então, Motherlode... poderíamos te chamar por algum apelido? Mot, Mother, Lode... – pergunta Roberto.

–Mot está ótimo. – responde Motherlode.

–Ok, vamos direto ao ponto. "Mot", poderia nos levar até esse portal? Não quero ser grossa, mas tem um maníaco atrás de nós que quer nos transformar em pó. – diz Florência, impaciente.

–Calma, Florência. – responde Mot.

–Como sabe meu nome?

–Acha que me chamam de sábio porque eu tenho barba e uso essas roupas? Além deste belo moicano?

–Ok, certo...

–Enfim, o portal. Tenho notícias um pouco desagradáveis para vocês.

–Tinha que ter algo errado... – diz Rogério.

–O portal tem um horário definido para abrir e fechar a cada 3 dias.

–Mas você não controla o portal? – pergunta Joana.

–Eu sou famoso entre os despertos porque posso GUIAR até o portal, não controlá-lo.

–E quem o controla, afinal?

–A Morte. Ela consegue controlar e alterar tudo. O Jogador não pode impedi-la, pois de acordo com os arquivos do jogo, ela é um objeto que não pode ser excluído.

–Porra... – reclama Roberto.

–Então... quando o portal abrirá novamente? – pergunta Valéria.

–3...

–... minutos? – pergunta Amin, interrompendo Mot.

–Horas. Vocês terão que esperar por um certo tempo aqui.

Todos ficam desapontados com a notícia. Inicialmente preocupados com a possibilidade de André invadir o lote e tentar matá-los, Mot os conforta:

–Este lote é secreto. André não poderá chegar aqui sem que algo ou alguém provoque isto. Vocês mesmos só estão aqui por minha causa.

–Obrigada. Isso é reconfortante, de alguma maneira... – diz Joana. – Droga, não consigo usar o modo compra aqui pra pegar umas camas.

–Este é um lote secreto... e comunitário. Não será possível. – explica Mot. – a não ser que você seja a dona deste lote...

–Como assim?

–Eu sou o dono do lote. Posso usar o modo compra e lhes garantir algumas camas.


Enquanto isso, André enfrenta conflitos ao tentar perseguir o grupo, pois o lote onde estão é secreto e não poderia ser acessado sem a ajuda de alguém. A Morte aparece e diz:

–Sua ex e os amiguinhos estão num lote secreto. Eu precisaria causar um bug para que você chegasse lá.

–Então faça isso logo, ora!

–Não posso. Eu recolhi mais de 10 corpos num único dia. Se eu fizesse isso, iria enfraquecer. Você terá de esperar até às 6 da manhã para que eu possa fazer algo.

–Então vou dormir mesmo.

–Olhe ao seu redor. Ainda estamos na propriedade daquela dupla de padeiros. Obviamente, eles devem ter 2 camas. Escolha uma e durma.

–Ok, até amanhã, sra. encapuzada.

–Sei, sei. Até amanhã.

A Morte desaparece do lote e André entra na casa para encontrar uma cama.


No lote do sábio, o grupo só consegue dormir por 2 horas, sendo que ainda seria necessário esperar mais uma hora para que possam alcançar sua querida liberdade. Valéria propõe alguns jogos.

–Ô Mot, você consegue aí uma mesa de cartas e umas cadeiras? – ela pergunta.

–Claro, claro. – ele responde, enquanto compra os objetos pedidos por Valéria. – ali estão.

–Vamos lá, quero arranjar algum jeito de passar o tempo! – ela diz.

Valéria, Roberto, Joana e Amin se sentam. Florência e Rogério não mostram interesse e ficam conversando, sentados no chão.

–Então, como você se tornou um policial? – ela pergunta.

–Sabe que eu não sei? É como se eu sempre estivesse... preso num ciclo.

–Nossa, que horrível. Bem, você saiu deste ciclo agora, é algo positivo.

–Com certeza. E você, o que fazia antes de entrar nesse "grupo"?

–Eu era florista. Dona de uma floricultura, na verdade. Os negócios estavam indo bem, quando a Joana e o garçom apareceram na minha casa e me mostraram a "realidade deste mundo".

–Interessante... Sabe, confesso que fico um pouco apavorado quando penso que eu não sou real, que tudo isso é só uma farsa, que nossas vidas são apenas... brinquedos.

–Eu também. Mas pense na possibilidade que mesmo não sendo reais, estamos tendo verdadeiras emoções e temos uma chance de ir para um local seguro, onde o maníaco ou o tal "Jogador" não nos encontrará...

–Eu sei. É essa possibilidade que me impede de sair gritando e atirando de tanto medo.

Enquanto isso, o pessoal da mesa decidiu começar a apostar. Começam a apostar valores pequenos, mas com o tempo, chegam a apostas altas, até mesmo §5000, por parte de Valéria. No fim, a vampira perdeu tudo, enquanto Roberto teve muito lucro.

–Poderíamos jogar mais vezes... – ele diz.


–Então, quanto tempo falta pra entrarmos? – pergunta Joana.

–20 minutos. – Mot responde.

–Hmm, é daqui a pouco. – diz Valéria.

Enquanto isso, Florência e Rogério continuavam no chão, conversando como se o assunto nunca acabasse:

–Sabe, meus pais morreram ainda na minha adolescência, tive que sustentar a mim mesma fazendo flores e vendendo elas, vivi assim por anos...

–Nossa... sinto muito sobre seus pais. Como eles morreram?

–Raio. Os dois estavam na banheira hidromassagem, o tempo começou a fechar sem que eles percebessem e... um raio atingiu os dois.

–Como você reagiu naquela hora?

–Eu estava na escola, só encontrei dois túmulos ao lado da banheira quando cheguei. –Meus pêsames. Eu não tenho lembranças de pais, filhos, ou netos, ou avôs, ou de uma família, propriamente dizendo.

–É, você realmente estava preso num ciclo...

Enquanto isso, na casa dos Jaqueta, André era acordado pela Morte.

–Levanta, Maria. Eu vou te levar até lá em apenas 15 minutos. Aproveita e toma um banho ou algo assim, lá não tem nada disso...

Dito e feito. André urinou e tomou um banho, e logo, foi pra calçada com a Morte, preparado para achar o lote secreto. No lote, Motherlode avisa:

–6 da manhã... hora do portal abrir. Venham comigo, senhores.

–NÃO TÃO RÁPIDO!!! - grita André, que acabara de invadir o lote com a ajuda da Morte.

–ANDRÉ!!! O QUE FAZ AQUI?!? – grita Joana, surpresa.

–Você é minha agora, vadia.

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória