FANDOM


Sua Sinceridade... Dói
Nome Sua Sinceridade... Dói
Escrito por AmandaMM
Data de lançamento 19 de Dezembro de 2013
Simsérie 12 Dias para Amar
Classificação Classificação 12 anos 12 anos

Cronologia
Capítulo Anterior Que Venha o Êxtase Antes da Morte
Próximo Capítulo E Quanto ao Fim?
Mudou-se

Propriedade

12 Dias para Amar - Capítulo 13: Sua Sinceridade... Dói é de propriedade de AmandaMM. A menos que a edição seja construtiva ou de poucos detalhes, peça permissão ao autor para editar a página.
12 Dias para Amar - Capítulo 13 (01)

Eu e Maíra acabamos de acordar, por incrível que pareça ao mesmo tempo e arrumamos a cama. Dois dias me restam e espero não acreditar nisso, mas às vezes quando olho para ela ainda fico pensando se é verdade, às vezes tenho uma sensação estranha de está há muito tempo dormindo...

Depois acabamos parando e trocando olhares, os olhos de Maíra parecem ter um pouco mais de brilho que nos outros dias, eu vou até ela, agora que estou mais próximo a janela percebo que está mais frio, hoje é outono afinal e estou ansioso para ver minha bela cidade se encher de encantadoras folhas em tom alaranjado. Ela diz curvando um pouco os lábios para um tímido sorriso:

12 Dias para Amar - Capítulo 13 (02)

- Bom dia... querido.

Eu digo então:

- Bom dia... então... querida.

Maíra sorri de forma mais espontânea. Continuo olhando-a fixamente, o que a leva a dizer:

- O que foi? Algum problema?

Eu balanço a cabeça negando e digo:

- O que achou... da pessoa com que você acabou se casando?

Maíra diz com expressões alegres:

- Não poderia ser melhor ou diferente!

Dou-lhe um beijo e digo:

- Devo me arrumar... estou com vontade de preparar o café da manhã de hoje.

Maíra diz:

- Como quiser, vou descer em seguida. Eu balanço a cabeça.

Daniel não apareceu ainda e aqui estou eu pegando tudo o que preciso para preparar panquecas de limão, chego a ouvir passos de salto alto na escada, mas logo desaparecem. Para onde foi Maíra não faço ideia, e Daniel a qualquer momento deve aparecer.

12 Dias para Amar - Capítulo 13 (03)

Enquanto estou aqui na beira do fogão, ouço a voz de Daniel:

- Não demore fazendo isso aí, cara! Preciso tentar sair com aquela garota que te falei o mais cedo possível!

Eu rio e digo:

- Tudo bem... prometo que não vou demorar.

Começa a chover então, Daniel está tão apressado que ouço passos rápidos vindos da sala, parece que está andando de um lado para o outro. Enquanto coloco panqueca por panqueca num prato maior eu digo:

- Daniel, acalme-se, e... por um acaso viu Maíra?

Daniel diz um pouco nervoso:

- Não vou e nem quero me acalmar! Quanto a Maíra, ela não é sua esposa? Você é que deveria saber por onde ela anda!

Eu digo:

- Não desconte seu nervosismo em nós. As coisas não funcionam desse jeito irmão...

Daniel diz em tom de arrependimento:

- Certo, me desculpe.

Ouço o barulho de uma porta, pego meu prato de panquecas e Daniel vem pegar o dele, vejo Maíra passando para ir pegar o seu meio molhada, eu digo então:

12 Dias para Amar - Capítulo 13 (04)

- Estava na chuva? Não deveria! Pode se resfriar!

Maíra rir e diz:

- Não se preocupe isso é apenas meu estranho habito de pensar na vida em baixo de chuva.

Enquanto me sento à mesa junto com Daniel, ele diz:

- Maíra, Alberto tem razão... não deve ficar de baixo de chuva e se expor ao vento que vem junto a ela...

Maíra se aproxima de nós com seu prato e diz rindo:

- Vocês dois são muito bestas, eu estou bem!

Não tocamos mais no assunto desde então. Enquanto comemos silenciosamente à mesa, Daniel faz o favor de quebrar o silêncio:

- Acho que estou sofrendo de amor platônico... isso não é nem um pouco confortável.

Maíra que até hoje nunca tinha dito palavras enquanto comia diz surpresa:

- Sério? Quem seria a sortuda?

Daniel diz de cabeça baixa:

- Uma moça... uma bela moça que mal conheço... estou tentando me aproximar... tentarei ser correspondido.

Maíra diz sorrindo:

- Desejo-te boa sorte, Daniel!

Eu digo:

- Eu também, nunca vi você assim, irmão... deve ter algo de especial nela para ter tocado você de tal forma.

Daniel balança a cabeça e diz:

- Sim você tem razão irmão, ligarei para ela e marcarei um lugar para nós encontrarmos, ao menos para conversar... isso já basta.

Eu digo:

- Faça isso.

Daniel que já tinha parado de comer diz:

- Com licença. Vou deixá-lo ir e lavar o prato que deixou, mas pobre de meu irmão... tão nervoso por causa de seus sentimentos... não me custa nada ajudar como posso, no caso, não o atrasado de ir ao encontro da dita senhorita Alter. Recolho todos os pratos e digo a Maíra:

- Daqui a pouco irei tocar bateria, se quiser aparecer por lá...

Maíra diz retirando-se:

- Obrigada por lavar meu prato e sim, com certeza aparecerei por lá.

12 Dias para Amar - Capítulo 13 (05)

Depois de lavar os pratos, guardo as panquecas na geladeira, poderão durar por muito tempo ainda... Daniel sai de casa dizendo:

- Consegui! Não sei que horas volto!

Eu digo meio atrasado:

- Tchau, então...

Devo agora ir tocar bateria, hoje acordei com vontade de tocá-la e não sei explicar...

12 Dias para Amar - Capítulo 13 (06)

Já estou aqui tocando há dez minutos, Maíra ainda não apareceu. Mas só em pensar nela, vejo-a surgindo entrando na sala silenciosamente, depois se senta numa das cadeiras e fica olhando para mim, e eu olhando para ela, minha atenção tão voltada a ela me faz errar algumas notas num certo momento, a única coisa que ela faz é sorrir e continuar ali presente.

12 Dias para Amar - Capítulo 13 (07)

Então eu paro de tocar e penso numa música que aprendi a tocar sozinho quando eu era ainda adolescente, lembro que quando aprendi cada nota e cada verso prometi que uma única pessoa ia ouvi-la, me ouvir tocando... mas isso faz muito tempo... não me lembro se ainda sei... mas já arrisquei tanto nessa vida, e me pergunto se correr esse risco tão bobo eu perderia alguma coisa, não, nada perderia. Eu chamo Maíra:

- Aproxime-se, vou tocar uma coisa para você.

Maíra se levanta e diz:

- Para mim?

Eu balanço a cabeça. Maíra se aproxima, eu digo então:

- Não arriscarei muito em cantar... mas quando eu encontrar uma possibilidade... acho que entende. Peço apenas que ouça e me diga depois o que acha. Maíra sorri e balança a cabeça, ela já está bem perto e então aqueço e por fim começo a tocar a introdução da música.

12 Dias para Amar - Capítulo 13 (08)

Arrisco em cantar os primeiros versos:

- Olhe as estrelas... veja como elas brilham para você... e para tudo o que você faz... sim, todas eram amarelas.

Maíra sorri, depois de tocar mais um pouco novamente canto:

- Sua pele, sim, sua pele e seus ossos se transformaram em algo bonito... Você sabe? Você sabe que te amo tanto.

Maíra sorrir novamente e continua voltando toda a sua atenção a mim. Depois quando a música se aproxima do fim eu canto:

- Você sabe. Por você eu daria todo o meu sangue... Por você eu daria todo meu o sangue. É verdade, veja como elas brilham para você... Veja como elas brilham para você... Vejam como elas brilham para você... - quando menos espero aqui estou eu cantando os últimos versos: - Olhe as estrelas... Veja como elas brilham para você... E para tudo o que você faz.

Levanto-me e digo:

- Não cantei tudo... por não ser bom e não lembrar, mas foi de coração.

Eu me aproximo então, Maíra diz:

- Foi lindo! Nunca tinha te ouvido cantar, canta com tua bela voz! Deveria fazer isso mais vezes!

Eu agradeço a música... fico sinceramente sem graça e mais admirada por você. Fico envergonhado e digo:

12 Dias para Amar - Capítulo 13 (09)

- Mas... minha voz nunca foi boa para cantar...

Maíra diz sorrindo:

- Você não ouviu com meus ouvidos sua doce voz! Jamais diga na minha presença algum erro teu que nem eu mesma conheço...

Eu rio ainda envergonhado e digo:

- Você que é perfeita, e não eu... tenho vários erros... você não tem nenhum...

Maíra diz sorrindo:

- Alberto... Chega, certo? Vou considerar a música como uma serenata e espero que ouça mais como essas sendo tocadas e cantadas por você.

Eu digo um tanto triste:

- Infelizmente, não há tempo.

Maíra vai até a estante e age como se procurasse mudar de assunto:

- Procurarei algo por aqui para ler, você e seu irmão tem muitos livros e acho isso incrível.

Eu digo:

- Depois pedirei a ele para comprar mais, estes estão velhos...

Maíra diz ainda a procura de um livro:

- De forma alguma, mas maiores quantidades de livros sempre são bem vindas, não é? Eu balanço a cabeça, porém ela não vê.

12 Dias para Amar - Capítulo 13 (10)

Eu digo:

- Vou me juntar a você em instantes, vou apenas ao quarto rapidamente.

Maíra que já tem em mãos o livro a sua escolha apenas balança a cabeça e se senta na cadeira. Enquanto vou até meu quarto para ir à suíte, fico pensando, me senti diferente enquanto cantava e tocava para ela, a música fala por mim o que jamais a disse, não sei se o mesmo ocorre com Maíra, mas me sinto comovido com tudo isso e ao mesmo tempo preocupado, estarei ao seu lado por míseros dois dias.

Depois de usar o banheiro, vejo que o mesmo necessita de uma limpeza, vou atrás de produtos de limpeza e deixo o banheiro brilhando, depois faço o mesmo com o do quarto de Daniel, e limpo os balcões da cozinha... e varro um pouco a casa, com a correria dos últimos dias nunca mais tínhamos feito uma boa faxina, mas quando retorno a sala onde deixei Maíra lendo ela diz assim que eu entro e por sinal ainda lendo:

- Já anoiteceu e você só chegou agora. Arrumou outra distração?

Eu rio e digo:

- Limpar a casa é considerado uma distração?

Dirijo-me a estante para procurar por um bom livro, Maíra diz rindo pouco tempo depois:

- Sim, creio que sim! Finalmente então me junto a ela e passamos alguns momentos em silencio somente lendo nossos livros.

Algum tempo depois Maíra se retira alegando precisar ir comer alguma coisa, por incrível que pareça estou sem fome e me alimentei hoje ainda cedo... acabo lendo bastante para enfim marcar a página e guardar o livro novamente, agora eu irei ao meu quarto. Ver o que posso fazer em seguida. Mas quando lá chego me deparo com algo incomum.

12 Dias para Amar - Capítulo 13 (11)

Barulhos por mais baixos que sejam vêem do banheiro, paro e tento ouvir o que pode ser... soluços? Então alguém está lá dentro, mas o que mais me preocupa são os sons de choro. Maíra, só pode ser! Corro para perto da porta e tento abri-la, mas trancada está. Eu então digo deixando minha preocupação tomar conta:

- Maíra? Eu sei que está ai! Abra a porta, por favor! O que está acontecendo?

12 Dias para Amar - Capítulo 13 (12)

Sem respostas. Eu continuo lá, em pé, ela tem que falar comigo! Ela precisa me dizer o que houve... precisa parar de chorar, eu ainda ouço suas lágrimas discretas, mas que apesar de praticamente imperceptíveis eu ouço, e tudo isso é dolorido, muito dolorido para mim, para nós. E cinco minutos depois ouço sua voz mais fraca e rouca:

- Me deixe sozinha, Alberto, por favor, te peço isso apenas.

Bato as minhas duas mãos na porta e digo:

- Não antes de te entender! Preciso saber o que está acontecendo!

Ouço um barulho vindo lá de dentro e depois a voz de Maíra:

- Sinceridade... - ela soluça e continua: - Foi o que prometi a você e você a mim...

Eu a interrompo e digo batendo na porta novamente e dizendo:

- Então me fale! Seja sincera comigo!

Ela soluça de novo e diz num tom mais baixo ainda:

- Você vai morrer, e eu por dentro já estou começando a me destruir com esse fato. - depois ela continua tentando gritar: - Nunca mais vou ouvir sua voz! Ou simplesmente sentir a sua presença! Não construiremos nada juntos e terei que ir ao cemitério todo dia te levar flores! Por que eu não vou aguentar ficar um dia sem te ver! Você acha que é fácil? Fácil se apaixonar por alguém que está condenado a morrer e te abandonar para sempre? Não é fácil!

Maíra volta a chorar, eu dou alguns passos atrás, ela tem razão, ela tem toda razão... a culpa é minha... Maíra agora começa a sentir minha falta, mesmo ainda com a minha presença assim como eu sempre sinto dela, da minha família e coisas que me rodeiam. Isso dói mais em mim do que nela aposto. Não sei o que posso dizer para consolá-la, não posso iludi-la dizendo que não vou morrer e criar falsas expectativas. Vejo-me entre a cruz e a espada. Sua voz eu novamente ouço:

- Alberto?

Eu digo então em voz baixa:

- Eu entendo, entendo perfeitamente. - uma tosse me força a interromper minha fala, mas volto a continuar: - Não posso mentir e dizer que vou continuar com você, que não vou virar pó em dois dias, que teremos uma longa vida a dois... não posso, eu queria ser capaz, mas eu não posso!

Afasto-me mais ainda da porta, pressiono meu peito com força, apenas para fazê-lo doer mais, uma vontade de chorar vem a mim, como quando eu ia cortar as cebolas para preparar o Grude à Carbonara, que comparação ridícula... É muito pior do que isso.

12 Dias para Amar - Capítulo 13 (13)

Maíra diz novamente:

- Eu sei, eu também te entendo. Tentei suportar por todo esse tempo, mas não aguento mais. Sofro a sua ida antes mesmo de ir, é algo que nem eu mesma consigo entender.

Rendo-me, deixo escorrer uma lágrima do meu olho esquerdo, mas não esperava que depois eu fosse chorar desesperadamente. E no meio a tudo isso eu digo virando-me para a direção da porta:

- Me desculpe! A culpa é minha! Sempre foi... Eu estraguei tudo...

Maíra deixa a voz chorosa de lado e diz de forma desesperada:

- Alberto? Você... Você está chorando?

Eu procuro parar de chorar e enxugo agressivamente as lágrimas, respiro fundo e digo:

- Apenas saia desse banheiro e venha até mim para tentarmos aproveitar o tempo que a nós resta, por favor!

Suspirando fundo eu tento me acalmar, até agora nenhum sinal de Maíra, nem sua voz, ou seu choro ou sua aparição. Rapidamente ouço a porta sendo destrancada e Maíra saiu com sua maquiagem um pouco borrada e expressões de alguém que de tanto chorar se cansou. Consigo sorrir um pouco quando a vejo diante de mim, e ela se surpreende pulando para os meus braços.

12 Dias para Amar - Capítulo 13 (14)

Enquanto seguro-a bem firme digo:

- Por favor, não sofra, não chore e principalmente não deixe de sorrir por minha causa! Pela minha falta! Isso dói, querida... dói muito para mim, mas agradeço por ser sincera e nada me esconder.

Quando finalmente Maíra está no chão e eu enxugando suas lágrimas, ela diz:

- Eu agradeço a sinceridade também. E a culpa não é sua... Nunca foi, querido.

Eu sorrio e digo:

- Posso dizer que fico aliviado ao ver que vai ficar tudo bem, agora, vá lavar o rosto, quero-te ver sorrindo novamente depois disso! Maíra balança a cabeça e entra para o banheiro, pela demora além de lavar o rosto ela deve ter retocado a maquiagem.

12 Dias para Amar - Capítulo 13 (15)

Quando ela volta, ficamos conversando sobre a cama, principalmente sobre o assunto critico de minha morte, procuro deixar tudo menos feio de se observar e mais claro, assim como a vontade que tenho de viver. Maíra diz que ainda assim se preocupa comigo, mas promete que procurará não ficar mais de tal forma que possa também atingir meu estado. Depois de entrar nesse acordo, ou melhor, muito tempo depois, eu e ela acabamos por dormir.

12 Dias para Amar - Capítulo 13 (16)

Curiosidade

  • A música que Alberto canta para Maíra é Yellow, da banda estadunidense Coldplay.

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória